24 setembro 2017

Profano - S Miller

                                                                         







“Não me tornei um cético. Transformei-me no pior que o ser humano pode ser: um descrente de si próprio.”

Uma vida dedicada ao sacerdócio. Um encontro que mexerá com estruturas e pensamentos, até então, inflexíveis. Uma paixão que colocará a vocação em xeque.

Após dez anos à serviço da Igreja, Padre Alessandro começa a se questionar sobre seu ingresso e permanência na vida religiosa. Tomado pela culpa, devido a questões éticas, e a um encontro libertino e furtivo, decide se isolar em uma viagem pelo mar para colocar as emoções em ordem e descobrir o que realmente deseja. O que ele não contava era que o destino lhe pregaria uma grande peça no teatro da vida: Eva, a volúpia em forma de mulher, cruzará seu caminho de maneira devastadora, despertando desejos ocultos e desconhecidos, trazendo à tona o homem em seu estado mais primitivo.

Será a tentação tão grande? O amor é capaz de transformar o pecado em sagrado?

Tudo é possível, ainda que seja PROFANO.

Olá pessoinhas que eu amo tanto tudo bem com vocês? Eu ainda estou meia The Walking Dead, Because as olheiras e a preguiça do kung fu panda não me deixam em paz.

Hoje eu vim falar um pouco sobre minha leitura de Profano.

A autora do livro S. Milller é super gente fina e amiga, foi uma das autoras nacionais que nem precisamos pedir, ela prontamente no início do projeto Alfas Literárias topou de coração aberto ser nossa parceira.

Sempre li e amei seus livros, Heitor meu Cowboy e um dos meus mocinhos preferidos eu Anninha das condongas sempre acompanhei de perto o trabalho da Ivânia e me vi num mato sem cachorro quando ela anunciou as postagens e o conto de Profano, uma historia de um padre, ai eu pensei "ai Jesus!". O que eu faço não suporto livros com essa temática, deixei para lá, evitava até as postagens com a #PartiuInferno com medo e receio de magoar alguém que tanto me estendeu a mão no meio literário.

Passados os meses eis que chego na bienal, me deparo com o estande lindo da Ler Editorial e lá estava ele PROFANO e com ele minha doce Ivânia com o sorriso no rosto, me abraçando e me dando todos os brindes possíveis e imagináveis.
Muitos me perguntavam "não vai levar profano?". E eu com a cabeça fechada, cheia de medos, e um pouco de preconceito respondia prontamente "não gosto de livros de padre".

Eis que em uma conversa franca com o agente e escritor Danilo Barbosa ele me deu um toque, me falou sobre o livro e que eu devia quebrar mais uma barreira emocional que eu levantei sobre mim e o livro.

No ultimo dia, nas ultimas horas eu me rendi,trouxe padre Alessandro para casa e ainda ameacei a autora! "Escuta aqui sua vaca, se essa porra de livro for ruim dou na sua cara", ela me olhou com emoção me abraçou e me disse, pode levar depois me fale somente a verdade.

Então quer a verdade?, toma a verdade sua vaca safada...

Obrigada.

Obrigada por não desistir de mim.

O livro é impactante, e escrever um livro com tanto apelo emocional e com muita consciência cultural não é para todos, que evolução, sua escrita está primorosa e mesmo para mim que sou resistente ao tema do sacerdócio, a leitura foi fluida e tranquila, meus sentimentos a todo o momento se tornavam contraditórios e fui de acusadora a acusada de alguns dos pecados descritos no livro.

O que muito me deixou feliz apesar de eu não ser católica foi que estava explícito no livro que a autora não queria denegrir e nem polemizar sobre um contexto tão falado pelos católicos.

Padre Alessandro como todo ser humano passa por um momento de remisão, de não saber se sucumbe aos prazeres mundanos ou ouvia a voz que desde sempre o acompanhou e que o levou a vida sagra.

Tenho que abrir um parêntese para falar da Eva que é um show a parte, sua força e fé são admiráveis, e um exemplo a ser seguido.
Não consigo julgar ou sentir raiva de Padre Alessandro, ele desnudou sua alma e sua vida nas páginas de profano.

E o final, o final graças a Deus foi surpreendente.

Obrigada pela leitura e pela reflexão proposta pelo livro.


S Miller fica na paz por que aposto que escrever um livro tão conflitante te tirou muitas noites de sono...


Recomendo o livro...






Até a Próxima!! 



2 comentários:

  1. A resenha está ótima, nunca li nenhuma história envolvendo padres e essa parece ser genial. Ainda bem que a autora conseguiu te surpreender e te tirou da sua zona de conforto!

    Beijos <3

    ResponderExcluir
  2. Nunca li um livro assim, já vi muito na televisão contos sobre padres com essa pegada, mas confesso que no mundo literário eu não conheço (no caso, não li) nada do tipo.

    Sua resenha ficou ótima, nem longa demais, nem curta, da para entender bem o que quis passar sem o medo de spoiler!

    Beijos!!

    ResponderExcluir