30 setembro 2017

Visões da Bienal Rio 2017

Por Fabíola Andrade


Frequento a Bienal do livro desde os anos oitenta, lá nos idos do século XX.
Para mim, Bienal sempre foi sinônimo de Festa Literária Democrática e continua sendo, a pesar dos altos preços praticados pela organização. Mas essa é apenas uma reclamação minha, enquanto público. Mais uma a reclamar.
Já curti Bienal como uma mera leitora despretensiosa, como professora estagiária, caloura, pedagoga maturada, leitora veterana e este ano, escritora iniciante. Desta forma, não deixo de enxergar a festa literária com todos esses olhares, que trago de uma vida.

24 setembro 2017

Profano - S Miller

                                                                         







“Não me tornei um cético. Transformei-me no pior que o ser humano pode ser: um descrente de si próprio.”

Uma vida dedicada ao sacerdócio. Um encontro que mexerá com estruturas e pensamentos, até então, inflexíveis. Uma paixão que colocará a vocação em xeque.

Após dez anos à serviço da Igreja, Padre Alessandro começa a se questionar sobre seu ingresso e permanência na vida religiosa. Tomado pela culpa, devido a questões éticas, e a um encontro libertino e furtivo, decide se isolar em uma viagem pelo mar para colocar as emoções em ordem e descobrir o que realmente deseja. O que ele não contava era que o destino lhe pregaria uma grande peça no teatro da vida: Eva, a volúpia em forma de mulher, cruzará seu caminho de maneira devastadora, despertando desejos ocultos e desconhecidos, trazendo à tona o homem em seu estado mais primitivo.

Será a tentação tão grande? O amor é capaz de transformar o pecado em sagrado?

Tudo é possível, ainda que seja PROFANO.

18 setembro 2017

A babá gótica - Adriana Igrejas





Autor(a): Adriana Igrejas 
Editora: Evolução
Páginas: 350 páginas



















Olá matilha Alfa hoje eu venho falar sobre um livro de uma autora muito especial em minha vida, começo falando a maneira peculiar que eu adquiri meu exemplar do livro A Babá Gótica, estava eu no evento alheio na livraria cultura do centro do Rio quando minha best Adrielli não parava de olhar um banner a nossa esquerda, eis que as fofoqueiras decidiram ir ver do que se tratava e nos deparamos com o olhar para baixo e perdido de Lucinda estampando um livro negro o mais lindo que já tínhamos visto na vida.