07 abril 2017

Pecadora

De: Nana Pauvolih
Planeta


Hoje vamos falar de Pecadora, o mais novo lançamento de Nana Pauvolih.
Eu como Nanete que sou, leio tudo o que Nana escreve; e amo, por que amo sua escrita, seu jeito de conversar com o leitor de uma forma que você só se dá conta, quando para de ler.
Só que parar de ler um livro de Nana é um pouco difícil.
Há uma necessidade sôfrega de devorá-los, que me deixa sem ar, sem chão. Acho que eu embarco literalmente nas emoções que Nana nos provoca.
Porém, diferentemente da catarse emocional que as Séries Redenção e Segredos (que graças a Deus, começará a habitar minha estante ainda este ano, já que em meu Kindle habita desde...) me proporcionaram, PECADORA me emocionou linearmente. Mas não pense que as emoções estão no raso não, pelo contrário; eu caminhei no fundo, por toda a leitura. Não me deixou agitada nem excitada, pelo contrário, me deixou calma e tranquila; foi tão gostoso; foi uma leitura que me fez ver o quanto o livre arbítrio é verdadeiro, é real.
Isabel é uma jovem em busca de si mesma; que questiona e repensa seus valores e os conceitos pré-estabelecidos em sua mente. A insatisfação sexual foi a mola propulsora que a fez buscar respostas, assistindo a vídeos pornôs pela internet, quando o marido na estava por perto. Mas esses vídeos não foram suficientes, por que eu no fundo a insatisfação da Isabel não era só sexual, era geral. Estava insatisfeita não só com seu casamento, mas com sua família, sua religião e até com ela mesma.
Quando conhece Enrico, se revolta com ele; já que era um homem livre, sem amarras, sem proibições. Fazia o que queria, sempre e quando lhe agradava. Lidava com o prazer de uma forma aberta e honesta. Ela não compreendia tanta liberdade, já que ela era tão tolhida. Vivia num mundo em que tudo era proibido, pervertido, sujo e nunca permitido. Por outro lado admirava essa liberdade de ser, estar e principalmente pensar. Sem culpa.
E a pobre é tão cheia de culpas...
Até que, numa atitude impensada, começa a se corresponder com Enrico, usando o pseudônimo de Pecadora, e ele de Santo.
Mas não pense você cara leitora, que eles faziam sexo virtual.
Na, na, ni, na não!
Debatiam filosofia.
Também falavam de vida, morte, culpa, desejos, prazeres e sexo, lógico.
Quando vai trabalhar na agência de Enrico, começa a conviver com emoções e desejos até então desconhecidos, o que a impulsiona a mais perguntas, mais dúvidas e consequentemente a buscar mais respostas. Isabel abriu a caixa de pandora e queria respostas e mais respostas para todas as suas dúvidas.
Eu senti pena da Isabel no início confesso, mas depois não. Admirei a jornada que travou consigo mesma, em busca da sua verdade. Por que aquele mundo em que ela vivia não era o seu mundo. Era da família, do marido... Mas não dela.
Senti pena mesmo foi do Isaque, o marido. Um rapaz jovem tão afundado em preconceitos, machismos e dogmas sufocantes, vivendo num mundo doentio; assim como a irmã mais velha, Ruth, tão obcecada pela posição de filha correta, de reputação ilibada; mas afundada na inveja, na soberba. Tenho pena das pessoas que se acham donas da verdade, e que estão acima do bem e do mal.
Tenho pena das pessoas que enxergam Deus como punitivo, que cobra da humanidade que o ame; o que incute no outro que só ele é o bom, o verdadeiro; por isso provoca guerras e lutas em seu nome. É o deus da escuridão.
Meu Deus é amor, compreensão; não me cobra nada, me deixa enxergar o mundo com os meus olhos e daí escolher o caminho Dele, mas por escolha minha e não por imposição de terceiros. Não me culpa pelos meus erros, me perdoa, quando eu verdadeiramente me arrependo.  Deus é luz.
Foi bonito ver a caminhada da Isabel em busca de suas verdades, sem duvidar do amor de Deus. Isso ela tinha como certo e por isso, conseguiu trilhar em busca de novos conhecimentos, de novas sensações. Por não duvidar do amor Dele, ela conseguiu encontrar seu verdadeiro amor no Enrico.
O que dizer do Enrico... Que estou apaixonada!
Ele é aquele cara “desencanado”, que sabe o que quer da vida. Não duvida de si mesmo, pelo contrário, é determinado em tudo o que se propõe, por isso faz sucesso. Não é orgulhoso, nem exibido. Sabe que é bonito e gostoso, não fica alardeando, mas também não se incomoda que o admirem.
Enrico é como um professor dedicado, que vai soltando pistas para os alunos buscarem seus caminhos. Não impõe sua opinião a ninguém; respeita a opinião do outro e exige ser respeitado em suas opiniões. Não discute religião, discute filosofia. Cria dois vira latas, que achou por aí e uma gatinha, que apareceu ali. Gosta do sexo quente e sem pudores, que respeita a parceira antes de tudo.
Tornei-me íntima da Isabel. Me vi ali vivendo aquele cotidiano, tão normal, tão real. As angústias dela são tão verdadeiras; suas culpas tão a flor da pele, que me tornei amiga dela. Não quis encaminhá-la a minha verdade; quis que ela encontrasse a verdade dela, que traçasse sua vida, seu mundo baseada nas suas crenças, na sua fé, que é tão verdadeira que me fez agarrar-me mais ainda a minha própria fé. Pecadora é uma viagem pra dentro de Isabel e ao mesmo tempo, pra dentro de cada uma de nós.
Não pense que Nana fechou a porta do quarto na nossa cara. Pelo contrário, a porta continua totalmente escancarada, com cenas quentíssimas, inclusive uma no vestiário, que até eu fiquei de boca aberta. E olha que espero tudo dos romances hots, mas essa... “Lacrou!”
E o reencontro de Isabel e Rebeca, o que foi aquilo Nana? Que cena linda... Sem palavras. Sem contar que fiquei fã dela e estou ansiosa para ler seu conto. Mulher resolvida, decidida, que sabe o que quer e vai a luta morrendo de medo, mas vai, de peito e mente aberta; disposta a cair e se levantar. Se respeita. Assume seus erros e os encara; de frente. Batalhadora. Sem medo de viver, de ser feliz.
Depois de toda essa jornada; de tanta culpa; tantas perguntas e respostas; finalmente Isabel se encontra; se livra das culpas e dos ditos pecados; encontra o amor nos braços de Enrico e consegue ser livre sem perder a sua fé.






3 comentários:

  1. Parabéns Fabíola por descrever a melhor leitura dá Nana.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Fabíola por descrever a melhor leitura dá Nana.

    ResponderExcluir
  3. Uauu.. que resenha maravilhosa. Ameii
    Comprei Pecadora e ainda não Li. Estou super ansiosa!!

    ResponderExcluir