06 março 2017

A Torre - Daniel O'Malley


Sinopse:
Misterioso e hilariante, “A Torre” é uma fantasia que promete fisgar os fãs de fantasia do princípio ao fim Muito suspense Certa dose de humor Uma heroína capaz de deixar Katniss Everdeen, de Jogos Vorazes, no mínimo intimidada E uma carta encontrada no bolso que começa assim: Querida Você, O corpo que está usando costumava ser meu. Encharcada pela tempestade que cai sobre o parque, ela ainda não sabe por que está cercada de cadáveres. Muito menos por que todos usam luvas de látex. Sem escolha, ela decide seguir as orientações deixadas nessa carta e encontra outras duas. Uma carta leva a outra e mais outra, e assim ela descobre seu nome: Myfanwy omas. E ainda que é uma Torre - uma agente secreta de alto escalão que trabalha para uma organização do Império Britânico responsável por combater eventos sobrenaturais. Mas há um traidor nessa organização. Um traidor que a quer ver morta. E que logo perceberá que Myfanwy ainda está viva. E sem memória. Enquanto luta para salvar sua vida, Myfanwy conhece pessoas misteriosas: um homem com quatro corpos, uma aristocrata que pode entrar em seus sonhos, crianças que se transformam em guerreiros mortais e uma conspiração que vai muito além do que poderia imaginar. Com uma protagonista feminina forte e apaixonante, A Torre é um livro que vai envolver os leitores de fantasia em uma narrativa cativante e, ao mesmo tempo, diferente de tudo o que já foi publicado no gênero. 

“Cativante, muito bem pensado e engraçado.” – Revista Time 
“A narrativa de O’Malley é temperada com humor, referências a condições sociais e pensamentos irônicos, parecendo unir a série “Buffy, a caça-vampiros” ao filme “Os Caça-Fantasmas.” – Kirkus 
“O primeiro livro de O’Malley conecta as fronteiras entre fantasia, thriller e sobrenatural com habilidade.” – Booklist 
“A sagacidade, os golpes do destino e a narrativa inteligente destacam esse livro dos demais.” – Publishers Weekly





Muito suspense, certa dose de humor, uma heroína capaz de deixar Katniss Everdeen, de Jogos Vorazes, no mínimo intimidada e uma carta encontrada no bolso que começa assim:
Querida Você,
O corpo que está usando costumava ser meu.
Encharcada pela tempestade que cai sobre o parque, ela ainda não sabe por que está cercada de cadáveres. Muito menos por que todos usam luvas de látex. Sem escolha, ela decide seguir as orientações deixadas nessa carta e encontra outras duas. Uma carta leva a outra e mais outra, e assim ela descobre seu nome: Myfanwy Omas. E ainda que é uma Torre – uma agente secreta de alto escalão que trabalha para uma organização do Império Britânico responsável por combater eventos sobrenaturais.
Mas há um traidor nessa organização. Um traidor que a quer ver morta. E que logo perceberá que Myfanwy ainda está viva. E sem memória.
Enquanto luta para salvar sua vida, Myfanwy conhece pessoas misteriosas: um homem com quatro corpos, uma aristocrata que pode entrar em seus sonhos, crianças que se transformam em guerreiros mortais e uma conspiração que vai muito além do que poderia imaginar.
Com uma protagonista feminina forte e apaixonante, A Torre é um livro que vai envolver os leitores de fantasia em uma narrativa cativante e, ao mesmo tempo, diferente de tudo o que já foi publicado no gênero.
Analisar o livro “A Torre” não é uma tarefa tão fácil quanto parece por um motivo absurdamente simples: o gênero fantasia sempre é um gênero que ou agrada ou desagrada, dificilmente tem meio termo. Particularmente, aprecio universos onde os personagens conseguem se desenvolver no decorrer das páginas e onde eles consigam flutuar em uma dança maior, que faça com que o embalo da história não se perca. E, Daniel O’Malley não se perde, depois que a gente se encontra.
O começo do livro é bem confuso, como deve parecer. Como acompanhamos a história sob a ótica de Myfanwy, não temos a mínima ideia de quem ela seja ou de onde ela esteja. Conforme as peças começam a ser apresentadas e a fazer sentido para ela, começam a fazer sentido para a gente também. Ponto para o autor, mas desafio para os leitores que preferem universos onde se sintam mais seguros.
O livro tem momentos de humor e muitos momentos de ação. Essas características possibilitam que o ritmo da história evolua de forma agradável para o leitor. Mas ali, o que mais se tem são reviravoltas e, próximo ao final, quando tudo parece permitir que você respire, algo além está presente para acontecer. O livro é o primeiro volume de uma saga ou possível trilogia. Após uma pequena pesquisa, vi que o segundo livro já foi lançado no exterior, contudo, não sei quantos livros complementam essa história. Mas garanto uma coisa: não ficam ganchos no primeiro livro e dá pra ler apenas ele, sem ficar com um buraco em aberto nesse mundo.
A escrita de Daniel também possui um bom tom. Para um livro de fantasia, ela é bem simples, porém os elementos surpresa acabam trazendo certa confusão se o leitor insistir em não se entregar ao mundo criado.
A capa do livro já carrega todo o suspense que o livro carrega, A Torre por ser um livro tão bonito ganhou um destaque em minha estante, como se fosse um troféu, as letras menores do que costume por ser um livro muito grande, atrapalhou um pouco a leitura, tive que fazer muitas pausas por conta de minha vistinha velha e cansada. Mas foi uma leitura maravilhosa que me fez viajar no mundo do autor junto a ele.





Nenhum comentário:

Postar um comentário