03 fevereiro 2017

Wicked - Gregory Maguire


Sinopse:
Você nunca mais vai enxergar Oz da mesma forma. Quando Dorothy se vê diante do desafio de derrotar a Bruxa Má do Oeste, no clássico Mágico de Oz, vemos a história se desenrolando pelo lado da heroína. Mas e a história de sua arqui-inimiga, a misteriosa bruxa? De onde ela surgiu? Como se tornou tão perversa? Em Wicked, Gregory Maguire revela tudo isso por meio de um mundo fantástico tão rico e intenso que você nunca mais vai olhar para Oz da mesma forma. Viajando por uma terra encantada, descobrimos todos os detalhes da história dessa garota de pele verde que cresce em meio a desafios e preconceitos, até se tornar uma bruxa infame – uma esperta, irritadiça e incompreendida criatura que desafia todas as noções sobre a natureza do bem e do mal. Recriando com riqueza espantosa o mundo de Oz, este livro conduz o leitor à inesquecível estrada de tijolos amarelos, atravessando um mundo fantástico repleto de conflitos e transformando de maneira surpreendente a reputação de um dos mais sinistros personagens da história da literatura. Público-alvo: Leitores de fantasia, fãs de O mágico de Oz, espectadores do musical de mesmo nome que está em cartaz em São Paulo até julho de 2016.




A bruxa má do oeste revelou como uma vítima idealista? O harridan de pele verde interpretado por Margaret Hamilton desmascarado como o produto dermatologicamente desafiado de uma família disfuncional? O flagelo de Oz retratado como um dissidente, um lutador corajoso contra um regime totalitário?

No começo, "Wicked", de Gregory Maguire, soa como uma piada, como uma sátira de "Histórias de Hora de Dormir Politicamente Corretas" de James Finn Garner, mas logo percebemos que o Sr. Maguire é extremamente sério e que ele produziu um livro que é mortalmente maçante. Seu tema parece ser que "as pessoas que afirmam que são maus geralmente não são piores do que o resto de nós".

"São as pessoas que afirmam que são boas, ou melhor do que o resto de nós", diz um personagem, "que você tem que ser cauteloso."

Certamente como um dos clássicos mais amados da literatura infantil norte-americana, "O Maravilhoso Mágico de Oz" é um alvo natural para os recicladores literários. Mas ao contrário de Geoff Ryman, cujo romance de 1992, "Was", usou a história das aventuras de Dorothy em Oz como um ponto de partida para uma meditação pensativa sobre o poder duradouro da fantasia e da arte, Mr. Maguire mostra pouco respeito por L. Frank A história original de Baum. Em vez de engenhosamente construir sobre ele ou engenhosamente enviá-lo para cima (como Donald Barthelme fez, digamos, com "Branca de Neve"), Maguire simplesmente usa personagens mais famosos Baum como forragem para o seu próprio filosofar. Suas alterações, anotações e bordados têm tão pouco a ver com a história original que eles não são nem divertidos nem provocativos; Para piorar as coisas, eles são incansavelmente politicamente corretos.

No relato de Maguire, a Bruxa Má do Ocidente não era má, apenas mal compreendida. Glinda, a Boa Bruxa, era uma socialite santificada obcecada por dinheiro e status. E o Mágico de Oz era um tirano out-and-out, uma espécie de combinação Hitler-Stalin-Darth Vader, que instituiu pogroms contra grupos minoritários e impôs seu regime despótico com pilhagem tropas de tempestade.

Como diz Maguire, a Bruxa Malvada do Ocidente era uma vez uma garotinha chamada Elphaba (ou Elphie, para resumir), que nasceu de uma esposa promíscua de um padre em uma aldeia em Munchkinland. Sua pele verde fez dela um paria instantâneo. Sua própria mãe pensou em afogá-la; Seu pai disse que ela "nasceu para amaldiçoar minha vida". Ela foi escarnecida por outras crianças e chamou todos os nomes: o "pequeno demônio", "o pequeno monstro" e "menina lagarto". Ela cresceu com uma irmã mais nova chamada Nessa, uma bela garota sem braços que pensava em si mesma como uma santa.

Com o tempo, Elphie vai para a escola, onde as outras meninas se divertem com seus olhares e roupas feias. Ela se tornou um Holden Caulfield - uma espécie de adolescente: sensível, temperamental e desconfiado de fonemas. Daqueles telefonemas, seu companheiro de quarto, Glinda, está entre os piores: snooty, vaidoso e mimado. Embora as duas meninas se tornem amigos por um tempo, embora Elphie fará o seu melhor para ampliar a perspectiva de seu quarto, a bela Glinda mais tarde voltará a seus modos egoístas.

Elphie sempre foi uma garota feroz e idealista, e ela logo se envolve na luta pelos direitos dos animais. Parece que o Mágico de Oz tem restringido a liberdade dos animais e está ameaçando transformá-los em bens móveis, escravos que podem realmente ser de propriedade e trocados por outros. Elphie começa a trabalhar em segredo com seu professor favorito, o Doutor Dillamond, um cabrito, que está conduzindo pesquisas científicas para provar que "não há nenhuma diferença inerente entre os seres humanos e os animais". Ele morre em circunstâncias misteriosas, e Elphie fica convencido de que ele foi assassinado, talvez pela diretora da escola, Madame Morrible, que tentou recrutar Elphie, Glinda e Nessa como agentes secretos para o governo.

Tendo se radicalizado completamente, Elphie cai fora da escola, se torna um anarquista e vai para a clandestinidade. Depois que seu amante, Fiyero, é morto, ela se junta a uma ordem nunlike de "maunts" e cuida dos doentes e morrendo. Uma longa jornada que eventualmente resulta em uma visita a casa, no entanto, deixará Elphie cada vez mais desiludida e paranóica, e ela abraçará seu destino como a Bruxa Má do Ocidente. Sua antipatia em relação a Dorothy, sugere Maguire, decorre da posse de Dorothy dos sapatos mágicos de Nessa e do sentido de identificação de Elphie com a jovem do Kansas, de sua percepção de que "Dorothy me lembra de mim mesma, naquela idade".

Embora Maguire demonstre uma habilidade para conjurar aventuras bizarras para Elphie e apresentá-la a um elenco excêntrico de criaturas (embora em nenhuma parte tão encantadora como as muitas criaturas que Baum inventou em suas seqüelas múltiplas para "O Maravilhoso Mágico de Oz"), Insistência em politizar Oz e injetá-lo com uma dose pesada de relativismo moral transforma um mundo espantosamente espontâneo de fantasia em um reino alegórico lúgubre, no qual tudo e todos são rotulados com inteligência


Eu confesso que a capa da versão em Inglês e maravilhosa e se tornou minha preferida, mas estou tão feliz com essa versão da Leya na minha estante, que fico bem caladinha,alias que livro lindo, com uma diagramação inédita vista por mim,folhas mais grossas e amareladas, e com uma letra de tamanho perfeito. Enfim eu amei.




7 comentários:

  1. Oie! Esse aí quem vai ler é a Grazi lá do blog. Mas eu tb adoro essas novas visões que são lançadas dos clássicos que já conhecemos e somos fãs. Eu, por exemplo, amei os livros da Serena Valentino (A Fera em Mim, A Mais Bela de Todas). É sempre muito legal ver os clássicos por outra perspectiva. :)

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é tão amor! Eu AMO essa história, me identifico demais com quando um irmão é preferidinho do que outro #mysocalledlife
    Enfim, merece destaque em qq estante.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oie
    Tudo bom?
    Não lembro de ter lido outra resenha sobre esse livro e achei a visão do autor bem interessante.
    Vou ter que conferir essa história.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi, to doida pra ler essa série. Adoro o musical!

    ResponderExcluir
  5. Olá tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro e fiquei bem curiosa sobre essa relação dos irmãos. Vou deixar anotado aqui e procurar assim que possível pra saber se vou gostar tanto quanto você gostou.

    beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. QUE RESENHA MAIS DIVA! Já lhe disseram que este blog é lindo? É MUITOOO LINDO!
    Parabéns, pelo blog e pela resenha. <3

    ResponderExcluir
  7. Oie tudo bem?
    Que visão diferente essa hein!
    Me interessei pakas graças a sua resenha...
    Beijos

    ResponderExcluir